SmartROC with HNS paves the way

29 de Março de 2016

Todos os dias, as pedreiras de todo o mundo produzem milhões de toneladas de agregado para uma grande variedade de necessidades industriais através de perfuração, desmonte e britagem - mas nem sempre com os melhores resultados para os seus proprietários. No entanto, existe uma forma inteligente, fácil e rentável para fazer o trabalho.

Pedreiras são um negócio muito difícil nas melhores situações, mas torná-las rentáveis é ainda mais difícil. Isso ocorre porque existem vários parâmetros essenciais que devem funcionar juntos em harmonia, e isso não é uma tarefa fácil.

Quarry in Norway

Mats Birkestål, Product Manager and quarrying specialist at Atlas Copco’s Surface and Exploration Drilling division, explains: “Quarrying should be seen in terms of one operation, not as a series of individual operations. The problem is that there are still too many quarries that may get good results in only one or maybe two areas and that puts pressure on the bottom line.”

What’s needed, says Birkestål, is to apply a total cost concept from the planning stage right through the operation to the final product. This means that the combination of drilling, blasting, loading, transportation and crushing have to be better synchronized in order to minimize errors and maximize results.

Por exemplo:


  • furos de desmonte mal posicionados resultam em fragmentação imprevisível no desmonte.
  • tamanhos variáveis dos fragmentos de rocha resultam em cargas de caminhão irregulares, maior desgaste do motor e consumo excessivo de combustível
  • fragmentos de tamanho muito grande afetam a produção na estação de britagem, diminuindo a velocidade do processo de produção de agregado no tamanho necessário;
  • fluxo irregular na estação força o britador a trabalhar mais arduamente, o que aumenta consumo de energia

Fácil de navegar

O objetivo é atingir um processo eficiente, com funcionamento suave do início ao final, continua Birkestål, e sustenta que o segredo do sucesso reside na qualidade da perfuração. "Esse é o ponto crucial em que tudo precisa ser feito corretamente", afirma. "Se você fizer essa parte errado, será muito mais difícil fazer o resto certo."

"If you get this part wrong, it will be so much more difficult to get the rest of it right."

Mats Birkestål, Global Product Manager

A moderna tecnologia oferecida pelas unidades de perfuração atuais, como a SmartROC T45 da Epiroc, permite que mesmo o perfurador mais inexperiente "faça certo". Essa unidade de perfuração está repleta de dispositivos de alta tecnologia, como o Sistema de Navegação do Furo (HNS, Hole Navigation System), inclinação e embocamento automáticos e muito mais.

Um cenário típico de bancadas consiste em 75 furos em cinco linhas a serem perfuradas até uma profundidade de 15 m. Para cobrir essa área e remover efetivamente a quantidade estimada por vez (cerca de 31.000 toneladas de rocha), a Epiroc estima que uma unidade de perfuração convencional precisaria perfurar oito furos a mais do que o SmartROC T45.

A razão é que, com uma unidade de perfuração convencional, a carga e o espaçamento entre os furos precisa ser reduzida para compensar possíveis erros de posicionamento e ângulos incorretos, pois quaisquer furos que terminem muito afastados colocam em risco a eficácia do desmonte. Com o SmartROC T45, equipado com o Sistema de Navegação de Furo (HNS), a carreta de perfuração localiza automaticamente a posição de cada furo com máxima precisão e perfura-o na inclinação e profundidade corretas. Como resultado, o padrão não precisa de ajustes e é perfurado conforme planejado.

Existem economias possíveis

Em termos econômicos, as implicações desse nível de confiabilidade são incríveis. O custo de precisar perfurar oito furos, ou 120 metros de perfuração, a mais custaria cerca de USD 600, com base em um custo de perfuração médio normal de USD 5 por metro. Com 40 desmontes por ano, esse custo extra seria da ordem de USD 24.000 por ano, não incluindo o custo adicional de explosivos. Não apenas isso, o efeito de furos de perfuração mal posicionados que afeta todas as operações subsequentes é considerável.

Um caso típico em questão é a pedreira de calcário de Akselberg, na Noruega. Aqui, a proprietária, Brønnøy Kalk AS, conseguiu eficiência total durante a sua operação graças à sua abordagem holística ao planejamento, bem como uma meticulosa atenção a todos os pormenores no processo de produção.

Leia o relato completo em Mineração e Construção on-line.

A Epiroc operou sob o nome "Atlas Copco" até 1º de janeiro de 2018.

SmartROC T40 Carretas de perfuração a céu aberto Divisão de Perfuração de Exploração e a Céu Aberto Relato de cliente SmartROC T45 2016 International

Histórias relacionadas