Operador monitorando duas unidades de perfuração SmartROC D65 totalmente autônomas

Está à procura de uma revolução?

27 de Junho de 2019

A mina Hollinger no Canadá é onde tudo acontece. Esta é uma mina a céu aberto localizada no centro de Timmins, uma cidade com uma população de 45.000 habitantes na província de Ontário. Este site faz parte das operações da Newmont Goldcorp Porcupine na área. Uma vez que o ouro restante tenha sido recuperado, esta mina será transformada em um parque público. Mas, por enquanto, é uma mina de ouro em pleno funcionamento e o centro das atenções para a mais recente inovação em automação de perfuração de superfície.
Desde a primeira revolução industrial no final do século XVIII, a inovação e o desenvolvimento tecnológico foram direcionados para tornar vida humana mais fácil, segura e eficiente. Com o advento da energia hidráulica, a vapor e da eletricidade, linhas de montagem e informatização, as possibilidades de produção em massa aumentaram constantemente.

Entramos agora na era da quarta revolução industrial, também conhecida como Indústria 4.0. Essa corrida inclui tecnologias como sistemas ciber-físicos, a Internet das coisas e a Internet de sistemas. Prevê-se que estas novas tecnologias tenham impacto nos todas as indústrias e economias. A indústria de escavação de rochas não é exceção.
Como uma empresa que não apenas adota a tecnologia mais recente, mas pretende liderar o desenvolvimento de inovação em nosso setor, a Epiroc atingiu recentemente um importante marco. Juntamente com nosso parceiro de longo prazo Newmont Goldcorp, colocamos em produção a SmartROC D65, a primeira unidade de perfuração de superfície totalmente autônoma do mundo. Vamos tirar um minuto para contemplar o que isso realmente significa. A perfuração de superfície tradicional requer que uma pessoa esteja fisicamente na cabine enquanto opera a unidade de perfuração. Alternativamente, o operador pode estar nas proximidades da unidade de perfuração com um controle remoto via rádio ou com a estação remota do operador da Epiroc, BenchREMOTE.
O que é único sobre essa mais recente conquista é que a unidade de perfuração de superfície, a SmartROC D65, é que agora é capaz de perfurar uma malha inteira de forma autônoma. O operador pode estar localizado em um escritório a vários quilômetros do local de trabalho. Contudo, dado que há uma conexão com a internet, este escritório pode estar potencialmente localizado do outro lado do planeta.

Quando o perímetro de operações autônomas, também conhecido como geofence, tiver sido configurado, a SmartROC D65 está pronta para funcionar. Dentro dessa área, ela pode executar as operações necessárias para perfurar não apenas um orifício de forma autônoma, mas uma malha de perfuração completa. Isso significa que a unidade de perfuração pode se deslocar e posicionar o pé de avanço corretamente no ponto do embocamento. Em seguida, ela perfura o orifício até a profundidade desejada e também manipula a troca de hastes durante o ciclo de perfuração. Quando o orifício é perfurado e as hastes são recuperadas, a unidade move-se nas para o orifício seguinte até que toda a malha de perfuração esteja concluída.
Isso não apenas removerá o operador de bancadas potencialmente perigosas em uma mina ou pedreira, isso permitirá ao operador efetuar outras tarefas enquanto a carreta executa a perfuração. Outros benefícios são uma produtividade maior e melhor qualidade dos orifícios. Quando a SmartROC D65 é usada para perfuração autônoma, ela executa mais orifícios no solo por turno. Em parte porque a automação do processo de perfuração resulta em operações contínuas, sem interrupções, e com menos desgaste das ferramentas de perfuração. Além disso, o posicionamento é mais rápido e mais preciso. Tudo isto se torna possível uma vez que a perfuração autônoma emprega tecnologias já existentes desenvolvidas pela Epiroc.

"Para fazer esse trabalho, estamos usando as funções inteligentes na unidade de perfuração que já estão lá. Visto que desenvolvemos essas funções ao longo dos anos, temos uma boa compreensão sobre como incorporá-las no modo autônomo. Estou falando de funções como o Sistema de Manuseio de Hastes, o Sistema de Navegação de Furo e o Posicionamento Automático. Naturalmente, algumas modificações mecânicas e uma atualização do Sistema de Controle da Perfuratriz também são necessárias. "

Mayya Popova ,Gerente de Produtos de Automação da Epiroc
A maioria das operações autônomas ainda continuam dependentes de monitoramento humano e isso abre o caminho para uma nova geração de operadores de unidades de perfuração. Annie Levasseur é uma das primeiras operadoras na mina Hollinger a trabalhar com a autônoma SmartROC D65. Ela vinha operando unidades de perfuração de superfície da maneira tradicional há muitos anos e agora adota a nova tecnologia.

"Na minha opinião, isso é incrível. Após a nossa breve manhã, em vez de perder 30 minutos indo de caminhão até a unidade de perfuração no poço, eu simplesmente vou ao escritório no andar de cima e ligo-a. Verificarei o status da unidade de perfuração, carregarei a malha de perfuração e farei uma perfuração em questão de minutos."

Annie Levasseur ,Operador da unidade de perfuração autônoma em Newmont Goldcorp Porcupine
Ela continua:

"Operando a unidade de perfuração desta maneira, não estou preocupada com minha própria segurança e posso ser mais eficiente. Por exemplo, posso me preparar para amostragem enquanto a unidade de perfuração está trabalhando de forma autônoma na malha de perfuração. Além disso, o ambiente de trabalho neste escritório é, obviamente, mais agradável do que no fundo do poço. Por não ter de ir de temperaturas quentes e frias, até a minha asma melhorou de verdade."
Ao visitar a mina de Hollinger, fica imediatamente claro que a segurança é uma das principais prioridades da Newmont Goldcorp. Como essa prioridade é compartilhada pela Epiroc e o fato de que segurança do operador é um dos principais benefícios da perfuração autônoma, a parceria de sucesso entre as duas empresas não é surpresa.

Shahn Cybulski da Newmont Goldcorp Porcupine compartilha sua visão do projeto.
Ele acrescenta: "A Newmont Goldcorp e a Epiroc entraram nesse projeto pelas mesmas razões. Ambas as empresas se esforçam para estar na vanguarda da inovação e desenvolvimento na indústria de perfuração de rochas. Temos atualmente duas perfuratrizes autônomas SmartROC D65 funcionando na mina a céu aberto de Hollinger e, até o momento, ainda não vi nenhuma desvantagem nesse projeto."
Na era da Indústria 4.0, na qual entramos agora, as fronteiras entre o digital, o físico e o biológico estão ficando cada vez mais nebulosas.

Do relógio inteligente no seu pulso até as perfuratrizes SmartROC D65 totalmente autônomas em uma mina de ouro a céu aberto. Se estiver procurando uma revolução - olhe ao seu redor. Ou faça uma viagem a Timmins, no Canadá.

Vídeo do caso: O primeiro SmartROC D65 totalmente autônomo do mundo

Um vídeo de caso sobre a primeira perfuratriz de superfície SmartROC D65 totalmente autônoma do mundo, na mina a céu aberto Hollinger, em Timmins, no Canadá.

Loading...

International 2019 Automação SmartROC D65 Divisão de Perfuração de Exploração e a Céu Aberto Relato de cliente