19 de Outubro de 2020

Uma perfuratriz para controlar todas as outras

CAUSA, uma empresa de mineração com 40 anos de experiência, usa a perfuratriz Epiroc Robbins 73R para perfurações ascendentes no México. Sua frota inclui 20 perfuratrizes próprias e mais 10 que administra para mineradoras.
Customer Story Elizondo

CAUSA, a cliente número 1 da Epiroc no mundo para insumos e acessórios de perfuração ‘raiseboring’ (RBM), ou perfuração ascendente, usa a perfuratriz Robbins 73, equipada com os cortadores Magnum da Epiroc, para atividades de perfuração ascendente nas operações de mineração mais importantes no México. Fundada em 1978, esta empreiteira de mineração para perfurações ascendentes e de exploração “opera atualmente 20 perfuradoras ascendentes Robbins próprias e gerencia mais 10 para várias empresas de mineração”, afirma o fundador da CAUSA, Gabriel Elizondo.

 

Quando perguntado sobre quais as vantagens de usar os equipamentos Robbins, Gabriel Elizondo responde, “com o uso de perfuradoras ascendentes, o risco humano foi praticamente eliminado”, e acrescenta que “os equipamentos Robbins revolucionaram a mineração quando se trata de operações verticais e em taludes.”

 

Apesar de relação entre a CAUSA e a Atlas Copco – agora Epiroc – ter oficialmente começado quando a empresa mexicana foi fundada em 1978, a relação da CAUSA com as máquinas Robbins remonta ao início da década de 1960, através de sua matriz, a NEMISA. Foi quando a NEMISA adquiriu sua primeira perfuratriz Robbins: a Robbins 32R com motor hidráulico.

Customer story Causa

Isso foi antes mesmo de a Atlas Copco adquirir a The Robbins Company, em 1993.

Com sua atual frota de perfuratrizes Robbins 73R – o modelo mais popular da Epiroc graças ao seu design robusto e compacto – a CAUSA realiza perfurações ascendentes e de exploração em várias minas no México, incluindo as minas de Fresnillo e de Madero nos arredores da cidade de Zacatecas. É aqui, na mina de Fresnillo, que a CAUSA bateu recentemente um recorde com os cortadores da Epiroc.

 

Mina de Madero
A doze quilômetros da cidade de Zacatecas, em uma região árida da região central do México coberta por cactos e árvores de Josué, a mina de Madero se estende por uma área de mil hectares. Por ser uma mina polimetálica, ela depende da extração de vários metais, mas o zinco é seu principal objetivo.

Customer story Rodriguez

Aqui, as perfuratrizes Robbins 73R operadas pela CAUSA são críticas nas atividades diárias de mineração. De acordo com Daniel Rodríguez, gerente de operações da CAUSA, “a perfuração ascendente geralmente tem quatro usos, sendo o primeiro e provavelmente o mais importante a ventilação. Através do furo de grande diâmetro que é criado, é possível injetar ar fresco para dentro da mina ou remover o ar viciado.”

 

As outras finalidades são reabastecer os furos com as rochas que sobram após a atividade de mineração, garantir a segurança (principalmente na forma de saídas de emergência) e realizar serviços. “Podem ser instalados cabos elétricos através dos furos e também tubos para transportar óleo diesel pela mina, assim como podem ser introduzidos tubos para retirar o concreto com mais rapidez e facilidade”, diz Daniel Rodríguez.

Mina de Fresnillo

Perto dali, a mina Fresnillo se destaca por seu enorme tamanho. Segundo Fidel Morín, superintendente de projetos da mina de Fresnillo, existem em operação “três poços e uma esteira vertical, além de três rampas de acesso” espalhadas por uma área de 14 quilômetros quadrados (cerca de 1.400 hectares). Só seu veio principal, o San Carlos, “tem sete quilômetros de extensão”, diz Morín, e é “ao longo desse veio que temos que colocar a infraestrutura para fazer a mineração”, explica.

Customer story Fidel

Quando se trata de infraestruturas, uma recente operação recorde de perfuração ascendente realizada pela CAUSA resolverá um problema da eficiência. “Esse projeto começou com a necessidade de baixar pessoas na mina de forma mais eficiente. No momento, levar uma pessoa por 682,6 metros até o fundo da mina dura cerca de 45 minutos”, diz Morín. Ao instalar um guincho no poço perfurado, os trabalhadores serão transportados verticalmente, ao invés de usar as rampas que já existem dentro da mina. “[São] 10 minutos ao invés de 45, então estamos economizando um pouco mais de meia hora”, acrescenta. Além de economizar tempo, “tem também a questão do trânsito, segurança, poluição, manutenção de veículos e uma série de fatores que têm como foco a produtividade, que é o que pretendemos fazer com esse tipo de [projeto]”, diz Morín.

 

A mina de Fresnillo possui atualmente sete perfuratrizes Robbins em operação. “Temos quatro máquinas 73R de torque tradicional, uma máquina 73R de alto torque e duas máquinas 34 RH; portanto, as que mais usamos são a 73R de alto torque e a 73R convencional”, afirma Isidro“ Chilo ”Rodríguez, chefe de perfuração ascendente da mina de Fresnillo.

 

No entanto, as perfuratrizes não são a única razão do sucesso das operações de mineração. A operação recorde de perfuração ascendente em Fresnillo foi possível graças aos cortadores Epiroc, com os quais o alargador de perfuração ascendente está equipado. Durante a perfuração de uma elevação de 3,6 dm em 2019, os cortadores deixaram intactos todos os 682,6 metros que levaram para chegar ao topo, e o furo apresentou um desvio zero.

Escavação de rochas subterrânea International Máquinas de perfuração de chaminé Relato de cliente 2020